sexta-feira, 13 de maio de 2011

OS HORMÔNIOS DE MALÚ

Coisa mais antiga, uma caneta e um pedaço de papel. É isso mesmo que ela queria! Queria ser antiga. Estava cansada de ser moderna e fingir que nada sentia. Ela queria colo, queria carinho. Não queria remédio. Achava a modernidade estranha. Minha avó era feliz – dizia – Seu marido lhe compreendia, lhe socorria. Não quero uma porra de um complexo químico que me narcotize. Eu não quero isso! Quero ser frágil, quero ser mulher. E quero um marido, antigo. Que me sustente e me atenda em meus caprichos. Não quero meus hormônios dialogando com essa catota amarronzada e patética.

Imaginou que uma folha de papel amassada, banhada em lágrimas e perfume, esculpida por tinta de caneta preta e arremessada ao vidro do parabrisa dianteiro de seu Meriva,  com quem ele transava mais do que com ela, seria suficiente. Então, propôs-se a escrever.  

As palavras, porém, era a dificuldade. Seus pensamentos eram conflitantes e faltava-lhe concentração. A televisão ligada, num outro cômodo. O tique-taque do relógio da cozinha, o rangido da cadeira em atrito com o assoalho, a metamorfose dos hormônios, o sarcasmos dos neurônios, tudo a incomodava.

Levantou-se. Sentou-se. Acomodou-se no sofá. Almofada entre as pernas. No momento seguinte, levadas à nuca, ao pescoço, ao chão. Derrubou o abajur – Viado!.Levantou-se. Deitou-se. Levantou-se. Tropeçou nos chinelos que lhe machucaram os dedos – Viado!.  Caminhou até a cozinha e abriu a geladeira. Dedo no copo da geléia,  dedo na boca, mão na tampa, corte no dedo – Viado!.João novamente, na mente – Aquele corno, viado!.

Ela nunca o fez corno e se o fizesse ele nem se importaria. Provavelmente o máximo que ela conseguiria era um empate. João não era brocha, não negava fogo. Não era pobre, sujo ou mal educado. Não era vagabundo. Não tinha mãe que ela pudesse ofender. Não tinha irmão viado. Tinha um irmão. Sim, tinha um irmão. Tão bonito, charmoso e gente fina quanto aquele filho da puta. E a folha continuava vazia.  

Linhas vazias que gargalhavam daquela imagem patética. Olhos esverdeados, encharcados. Rosto redondo, nariz vermelho, enorme. Uma caixa de lenços de papel, usados, espalhados pelo chão frio e encerado. Malú virou um copo de água, com açúcar. Pensou em usar o telefone.   Pegou o fone. Colocou-o na mesa. Pegou o fone, colocou-o na mesa. Pegou o fone...

As horas passavam e Malú chorava. Chorava e nem sabia porquê, chorava. Ria também. Ria e chorava. Olhou para João que, no porta retrato, lhe sorria. Um sorriso que lhe parecia sarcasmo. O segurou entre as mãos e o xingou. Não apenas ele, mas até a sua sexta geração. Depois, com ele conversou. Queria alguma resposta. Jogou-o em cima da cama e desta vez foi ao telefone e ligou mesmo:

- O quê?
- Me traz uma coisa?
- Sim. O que?
- Uma coisa, João! Uma coisa!
- Eu levo amor, mais o que?
- Arg! Homens! Nada João, nada. Vai à merda, João. Vai a merda!

Malú desligou o telefone e rendeu-se. Escureceu o quarto. Ligou o ar-condicionado, colocou seu pijama de flanelas com desenhos de joaninha e deitou-se. Suas lágrimas secaram e o cansaço lhe venceu. Dormiu.

Às 18h30 João chegou. Preparou uma bacia e a encheu de água quente. Levantou o corpo de sua amada suavemente. Ela abriu os olhos e pendurou-se em seu pescoço. O rapaz trazia um chá e um comprimido de Postam. Ela tomou a medicação e lhe retribuiu com um beijo carinhoso, enquanto o rapaz massageava os seus pés submersos na água morna:

- Obrigado, meu querido. Você é um amor. Acho que o tratamento está dando certo, este mês  estou bem melhor, não acha?

- Bem melhor, amor. Bem melhor!


Por: Henrique Biscardi

  

7 comentários:

  1. muito bom,essa Malú....coitado do João!!!
    Beijos
    Sucesso!!

    ResponderExcluir
  2. Esse João ama a Malu (ca)de verdade. Mas acho que ela está melhorando...
    ADOREI! sem mais confetes.

    ResponderExcluir
  3. Salve a Malú!! (E todas as outras doidas de plantao). Espero que o Postam esteja mesmo fazendo efeito, hehehe nem que seja somente aos olhos do fdp do Joao, aquele viado, ó pobre coitado!!!!
    Adorei mais esse conto, Henrique!! Meus parabéns pela genialidade!
    Beijao e bom comecinho de semana!!!

    ResponderExcluir
  4. Kakaka... Tinha que ser Malu?!...

    Adorei!

    ResponderExcluir
  5. Sensacional!! parece minha irmã gêmea univitelina, ahahah

    ResponderExcluir
  6. Ai... era o que eu estava precisando ler hoje!!!!! Será que depois vai mesmo rolar esse banho morno do João pra mim??? Espero!
    Valeu!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  7. Muito muito bom!!!!! Malú me enganou, estava tendo uma imagem distorcida de João! ;-)

    ResponderExcluir